Fique atento: Depressão não é só tristeza

Saiba como perceber a diferença entre um Sentimento e o Transtorno Depressivo

É muito importante diferenciar o transtorno depressivo de uma simples tristeza, pois se assemelham bastante nos sintomas em diversos aspectos: sentimentos de tristeza, vazio, solidão, infelicidade, mal-estar e falta de animo, que aparecem na expressão facial e na voz baixa. Estas sensações podem acontecer com uma pessoa sem o transtorno, quando passa por uma perda de emprego, um término de relacionamento etc., sente-se triste e ainda pode apresentar insônia, falta de vontade de comer e fadiga, porque o organismo está sobrecarregado.

A diferença entre um estado de tristeza e um transtorno depressivo, é que na depressão os sintomas têm uma duração de tempo maior e indeterminada. Os sintomas também são mais acentuados, vão se intensificando e, não existe um acontecimento significativo que possa ser responsável pelo aparecimento dos sintomas.

De acordo com os critérios diagnósticos DSM5, o transtorno depressivo requer que os sintomas de depressão tenham uma duração mínima de 30 dias, como: perda de interesse ou prazer nas coisas que fazia antes, insônia ou hipersônica, ficando mais tempo deitado, agitação psicomotora, as vezes não consegue ficar sentado por muito tempo, ou ao contrário, e muita lentificação. Perda ou aumento significativo de peso, perda de energia e fadiga, pensamentos sobre morte recorrentes, as vezes fazendo planos mentalmente de imaginar como se mataria. Falta de autoestima, sentimento de não ser adequado, sentir-se rejeitado, carente, capacidade intelectual e de concentração diminuída.

Mesmo que a prevalência e comorbidades provoquem alarme, a depressão, na grande maioria dos casos, tem controle e tratamento, sendo possível a remissão completa se tratada corretamente.

É um transtorno simples, mas se não for tratado, implica em grande perda da qualidade de vida, como apontam os sintomas. A pessoa perde a motivação ao longo do tempo sem tratamento, as ideias sobre si mesmo muito negativas, somadas à ideia de um mundo onde predomina o negativo; pensamentos disfuncionais sobre as pessoas serem injustas, e sentimento de desesperança. Sendo assim as ideias sobre o futuro também são negativas, como: “não conseguirei nunca resolver meus problemas, nunca mais serei feliz, pois não tenho valor’’. Estes pensamentos recorrentes fazem com que o deprimido tenha uma percepção do ambiente distorcida e as lembranças de eventos passados com atribuições muito negativas, diferente das pessoas que não apresentam o transtorno.

Por isso, o tratamento psicológico clínico é indispensável, pois as distorções cognitivas, que afetam negativamente o humor, geram cada vez mais tristeza e alterações de comportamento. Cada pessoa possui um funcionamento próprio que foi gerado pelas experiencias que teve com os acontecimentos que formaram sua história de vida. Para compreender os processos de manutenção da depressão, de forma efetiva, o profissional dispõe de técnicas e modelos que se adaptam à cada paciente. 

São avaliados os fatores genéticos que contribuem com a vulnerabilidade do paciente, fatores fisiológicos e eventos estressantes de vida, que são considerados fatores precipitantes para o transtorno depressivo. Também são trabalhados em terapia os pensamentos automáticos que acontecem diante das situações da vida, a autocritica e a ruminação, o rebaixamento do humor e das emoções, os comportamentos evitativos, para que possam existir mudanças de comportamentos nocivos que mantem a depressão.

Para mais informações, entre em contato conosco e agende sua consulta.

Um abraço,

Psicóloga Celia Naime - CRP 08/07477